Parede Suja

dez 17, 2012 by

Parede Suja

Na próxima vez que você borrar o que é bom, olhe mais pra cima tentando ver a parede inteira.

 .

.

Quando acontece um crime qualquer vestígio vira pista importantíssima na descoberta do culpado. Da digital invisível no vidro ao fio de cabelo na porta – não desperdice! – tudo denuncia o que houve.

Acabo de virar um investigador sem carteira de couro nem distintivo prateado. Passando pela porta junto à parede da sala encontrei as marcas inquestionáveis de alguém que nunca desaparece – mesmo se estiver ausente. Minha inebriante filha.

A tinta cor de pérola cuidadosamente pintada por este delegado-amador aqui segue limpa, clara e impecável, do teto até um metro do chão. Dali pra baixo, a cena se deforma. De riscos a rabiscos, passando por borrões e manchões, as inúmeras sujeiras de mãozinhas e dedinhos beiram uma textura artística digna de um galpão de ferro-velho. Soaria relaxo se não fosse uma obra-de-arte. Ao menos pra mim…

Ela cresceu, e como! Seus cachos negros fazem seu cabelo flutuar pelos ares quando corre. Suas passadas firmes agora me obrigam a correr de verdade atrás de seus impulsos. E a parede continua lá, registrando esbarrões, espalmadas, suor, cotoveladas e, acima de tudo, o encantador desajeitamento de quem está se descobrindo no mundo.

Que pai entre bilhões puniria seu pedaço de gente só por ser uma extensão dele ainda em formação? Sou assim com minha filha. Poderia repintar toda casa, mas decididamente me recuso a fazer isso. Por quê? Simplesmente por não querer apagar dos olhos o que jamais gostaria que sumisse no coração. Suas peripécias e traquinagens tingem meus dias monocromáticos numa aquarela imprevisível de ações tão desconcertantes quanto apaixonantes. E ela suja a parede enquanto lavo minha alma.

Meu Deus é assim comigo. Poderia refazer a raça humana no mesmo passe de mágica que desapareceria com suas cicatrizes crucificadas. Mas Ele nunca fará. Porque prefere revelar aos mundos não caídos a extraordinária paixão pelas Suas criaturas mais pródigas. Se eu pequei e sujo feio tudo o que toco, Ele limpa minha imundície e ainda toma pra Si o castigo que seria meu. E o que resta? Marcas indeléveis de uma história eterna pra se contar. Afinal, todos nós cresceremos para sempre sem nunca mais nos esquecer do quanto manchamos o equilíbrio do Universo.

Na próxima vez que você borrar o que é bom, olhe mais pra cima tentando ver a parede inteira. Aquele capaz de criá-la e pintá-la é o Mesmo capaz de perdoar e lhe amar mais que tudo. As incoerências humanas não se sobrepõem à fortaleza divina. Lembrando sempre que se você foi capaz de sujar, Ele é especialista em limpar. Por isso, não fique se atolando sob o peso dos erros enquanto os únicos verdadeiros resquícios de quem fomos serão as feridas curadas dos cravos nAquele que consertou tudo.

E o mais extraordinário disso? Olhar as marcas nEle não nos punirá novamente pelos pecados escondidos sob a tinta de sangue divino nas paredes da nossa vida. Pelo contrário absurdo, revelará um amor inimaginável de um Deus que condenou a Si mesmo pra nos libertar para sempre.

Seja bem-vindo a esta casa tão diferente – com este Pai de ternura imprevisível.

Nosso maravilhoso lar celestial.

.

.

Related Posts

Share This