Esquina de Casa

set 23, 2010 by

Esquina de Casa

“Voltar pra casa tem que ser sempre bom, mesmo que o lar ideal só exista no sonho”

.

Eu viajo muito. Aviões deixaram de ser curtição pra virar obrigação. Acho até que minha filha fez o trecho do aeroporto mais vezes que o do supermercado. E se eu aprendi viver entre as malas, minha esposa não quis aprender arrumá-las. São tempos modernos – eu me viro, e somos modernamente felizes assim.

Escrevo este texto voando sentado na poltrona 12J (corredor, atrás da asa direita, saída de emergência, como sempre!), e fiquei com vontade de “voar” mais longe. Em minutos, ouvirei a frase mágica de um desconhecido que nem sei quem é: “preparar pra aterrissagem” e ficarei neuroticamente impaciente pra chegar de uma vez (sou daqueles chatos que já ficam em pé espremidos no corredor, como se pudessem sair antes da aeronave abrir a porta!).

Voltar pra casa, pelo menos pra mim, é sempre uma delícia. Do lado de lá da porta de vidro, entre um mar de faces desconhecidas, verei as duas preciosidades inestimáveis que fazem minha vida valer a pena ser vivida. Beijarei com carinho a mãe que me torna um marido amado e a filha que me fez um pai-coruja. Tem sido sempre assim – como um final feliz de um filme lindo que ainda recomeça cada vez melhor.

Reflito sobre a volta pra casa. Por que pra mim é algo inspirador e para outros nem sempre? Enquanto a esquina de casa acelera o coração de uns, outros veem o peso nos ombros ganhando toneladas extras, e o que era pra ser a liberdade aliviando a rotina deforma-se em mera obrigação disfarçada no sorriso amarelo. Tem pais e maridos que fogem do assunto – pois voltar pro oásis virou deserto, e o que seria entrada triunfal agora é pela porta dos fundos. Então, por que a casa de uns vira casebre pra outros?

Há uma tremenda diferença entre casa e lar. Confundimos sentimentos porque chegar em casa é realidade pra todos, voltar pro lar é privilégio de alguns. Casa depende de um teto e quatro paredes, lar se constroi com vidas, momentos e até lágrimas. Casa é pra dormir, lar é pra sonhar – não é pra menos que tenhamos tantas casas no bairro e cada vez menos lares no mundo. Compromissos, contas, traição, egoísmo, dívidas, mamadeiras na madrugada e muito mais, são a ponta gelada do iceberg bloqueando a rota da felicidade das famílias. Sem contar as responsabilidades diárias que vão diluindo o sabor da paixão com os anos passando.

Qual é o lar dos seus sonhos? Ele parece a casa pra qual você volta? Não?! Então a luz de emergência ascendeu! Se não ocorrer uma manobra radical nas coisas, pode ser que um dia você nem volte e vire mais um solitário de coração sem-teto por aí. Não admita isso acontecer. Voltar pra casa tem que ser sempre bom. Muito bom!

Lembre-se do Futuro. Não é a contradição que parece. Você se recorda quando concretizou a promessa pública de serem “felizes para sempre”? O casamento é o pódio antes da corrida. Lá no altar você idealizou troféus que não podem ser esquecidos. Construir “a família perfeita do futuro” exige lembrar aquilo que se quer. Se você parar 30 segundos vasculhando na memória aquele olhar incrível de quem prometeu viver sempre ao seu lado, isso mudará imediatamente sua percepção do presente. Não esqueça o que você sonhou um dia – e a dois!

Fuja das Miragens. Cônjuges perfeitos serão sempre os dos outros. Porque é só morando junto pra fantasia desmascarar o parceiro real. Largue mão de viver nas histórias em quadrinhos! É fácil e tentador lançar-se no canto da sereia. Não se iluda! Uma cantada adúltera leva pra cama sem passar pela lavanderia. A vida real é linda, encantadora, curiosa, mas é REAL! E a convivência com pessoas de carne e osso sempre trará desafios cotidianos. Mas, como é bom ter um ninho fixo pra quem voltar!

Invista no Perdão. Homem que é homem quer sempre sair ganhando. Deus nos fez assim. Por isso, aplique seus recursos de vida naquilo que trará maior retorno em menos tempo. Sabe como? Sendo inteligente o suficiente pra pedir perdão. Tem pessoas que detestam voltar pra casa simplesmente porque não admitem reconhecer seus próprios erros detestáveis. Odeio reconhecer minha falibilidade doméstica. Porém, sempre que o faço tudo fica mais justo e atraente. Elas melhorarão excepcionalmente, confira!

Abra o jogo. Famílias se despedaçam não porque falam, mas porque silenciam. Ressentimentos lacrados exalam cheiros fortes que, se não forem resolvidos, impregnam tudo e todos. O pior é que o tempo passa e, se não cuidar, ninguém mais descobre de onde vem o odor repulsivo. Conversar, dialogar e franquear o coração são maneiras infalíveis de resolver os desencontros. Seja macho, e puxe o assunto!

Comece por você. Fiz a experiência e funciona. Ao invés de ficar cobrando mudanças alheias, mostre o exemplo partindo de você – só depois cobre a alteração do outro. Faça exercícios físicos antes de exigi-los. Seja atencioso pra depois esperar o mesmo. Será que a mulher ranzinza não reflete seu próprio mau humor? Filhos descontrolados podem ser o grito comportamental de saudade da sua amizade paternal. Mude alguma coisa em você, e peça depois o que quer – a reação será muito mais acessível.

Faça um check-up. Isso mesmo. Sabia que o desânimo pode indicar o início de uma depressão? E a casa paga a conta primeiro. Stress, somatização, baixa resistência, sobrepeso, fadiga e outros, podem ser facilmente descobertos numa bateria de exames de saúde. Você não é invulnerável, e se a rasteira vem do próprio corpo, perceberá menos ainda. Observe-se, vá ao médico, siga as instruções e, de repente, a visão otimista das coisas acompanhará o bom-humor imbatível do físico mais saudável.

Não repasse a culpa. A revista Negócios, em maio de 2009, trouxe na capa um executivo em lágrimas com um título intrigante “Por que ele está chorando?” A reportagem alertava: 84% dos executivos no Brasil estão infelizes com o trabalho. Já pensou? O salário é gordo, mas a realização é magra. O pior é que a família leva a culpa pela insatisfação profissional. Cuidado! A “volta pra casa” pode estar pagando por um problema seu lá na mesa do seu chefe. Não queime as duas pontas. (Leia “Demita-se”, na sessão eu.empreendedor neste blog.)

Gaste tempo. Neste mesmo artigo havia outra pergunta: você é feliz com sua vida pessoal? A resposta foi devastadora: 54% dos profissionais de liderança estão frustrados com sua vida pessoal. Quer dizer que voltar pra casa complicou torturando homens importantes. Não esqueça: gaste tempo com quem lhe fará genuinamente feliz ou você perderá tempo com quem lhe rouba a felicidade. Quem diz não ter tempo pra família cava aceleradamente a própria sepultura emocional. O tempo é a única coisa que dinheiro não traz de volta. Jamais! Utilize-o com quem merece por lhe amar de verdade.

Enxugue a saudade. Finalmente, talvez você não se encaixe em nenhuma destas situações – pois fazia tudo isso, era feliz, e alguém foi cedo demais sem dizer adeus. As tragédias são inexplicáveis e o choro de saudade, insubstituível. Se voltar pra casa abre em seu peito uma cratera dolorida de lembranças inesquecíveis, acredite: o verdadeiro Lar nunca será aqui deste jeito. Fomos feitos pra retornar ao lugar perfeito onde tudo durava pra sempre. Levo minha vida norteado por um sonho: viver é voltar finalmente à origem divina, de onde nunca deveríamos ter saído e, pela primeira vez, conhecer o local. Tente alimentar-se das boas recordações e agüente um pouco mais, afinal, voltar pra casa tem que ser sempre bom, mesmo que o lar ideal só exista no sonho.

Termino este texto já de volta em casa. Abracei, beijei, matei a saudade e seguimos em frente numa casa aconchegante com um lar feliz sempre em construção. Às vezes, voltarei ansioso pela paixão, e outras, superando as lutas de minha própria humanidade. Não me iludo com o irreal, nem exibo um conto de fadas, mas, em família, somos cúmplices do mesmo sonho, e corremos atrás dele: migrar da mera casa de paredes para o verdadeiro lar que preenche a alma. E Deus tem nos ajudado nesta conquista, pois “se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam” (Salmos 127:1).

Quando bater aquela vontade de esticar a esquina pra mais longe, ou ficar dentro do carro na garagem, pense um pouco no lar que você espera encontrar. Respire profundamente deixando-se levar no pensamento. Agradeça aos Céus a casa que você já tem, e faça sua parte em busca do lar que um dia será eternamente perfeito. Sonhe com isso. Quem sabe esteja até acontecendo…

E voltar será cada vez melhor.

.

Related Posts

Share This