Morri.

set 2, 2010 by

Acabei de morrer com o coração batendo. Achei que tinha experimentado sentimentos fortes, mas nada se comparou a isto. Se o “tempo é relativo”, quando vemos quem amamos sofrer, a espera é absoluta: implacavelmente eterna. Ao concordar em ser cúmplice deste ato cruel, jamais pensei que viveria o inesquecível. E se “homem não chora”, continuo homem, mas chorei dissolvendo o que de chumbo havia em mim.

read more